Gastos ocultos e emoções

Aparentemente organizar nossas finanças é uma tarefa simples. Porém, nem sempre fácil. Existem diversas estratégias para controle de gastos, planejamento financeiro e escolha de investimentos. Difícil é conseguir fazer, muitas vezes, fechar a conta e ter no resultado um retrato fiel dos ganhos e das despesas do mês.

Parece desenho de quem não é um artista.

A gente tenta desenhar, mas não fica lá essas coisas. Assim ocorre muitas vezes com nosso dinheiro. Anotamos, planejamos, acompanhamos de perto os gastos e os ganhos, mas mesmo assim a conta muitas vezes não fecha.

O que será que esquecemos de anotar?

Após refazer algumas vezes os cálculos percebemos que esquecemos de contabilizar algumas “coisinhas”, mas que são fundamentais para que a conta feche.

Elas estão escondidas nas entrelinhas.

Por exemplo, anotamos nossos gastos com gasolina, condomínio, escola das crianças, mas nem sempre lembramos de contabilizar nossa ansiedade, nossa euforia, nossa exaustão, nosso romantismo, nossa tristeza ou nossas hipnoses. Todos são itens que viram números com muita rapidez. São nossos gastos ocultos e merecem toda nossa atenção.

Gastos ocultos são aqueles gastos reais em que nossas emoções pedem espaço para existir e assim nos damos conta delas, geralmente na fatura do cartão de crédito. Não compramos por prazer ou necessidade, compramos para acalmar nossas ansiedades, nossas decepções, nossos desesperos, nossas frustrações ou nossas esperanças.

Estar consciente na hora das compras faz toda diferença, sejam elas quais forem. Compras online então, atenção redobrada. E na falta de consciência ou piloto automático o que acontece é mais ou menos como ir ao mercado morrendo de fome. Gastos maiores, com certeza.

Cada vez que nossas emoções estão muito intensas ou no controle temos chances gigantescas de usar o dinheiro para tentar nos acalmar internamente ou acordarmos com o choque de gastos que nem lembrávamos de ter feito. Ou que sabíamos que eram gastos vazios.

Não se trata aqui de julgar, mas sim de propor uma escuta com mais carinho e atenção para aquilo que mora na alma e está pedindo passagem para se expressar através das nossas finanças.

O que está oculto existe com força capaz de mudar direções e restaurar equilíbrios. Ou não.

Abraço fraterno!

Fernanda Nunes Gonçalves

Share Button

Fernanda

Psicóloga Humanista, Escritora e Trader

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *