Quando começamos nossa atividade de trader temos certos objetivos definidos e que também podem sofrer alterações, conforme vamos adquirindo experiência no mercado financeiro. Assim como os bons ativos, estamos também em constante movimento.

Esses objetivos, muitas vezes, dizem respeito à gerar riqueza e ficarmos cada vez mais próximos da prosperidade que fique de mãos dadas com nossa paz de espírito. O dinheiro, em si, pode não trazer paz de espírito, mas serve à um propósito que, quando tem bons fundamentos, oferece muita paz. Por exemplo, suprir ao menos as necessidades básicas de nossos filhos. Isto é fonte de paz. Quem não tem como pagar remédios para seus filhos, conhece a angústia mais de perto.

E, então, montamos uma estratégia com combinações diversas e muito pessoais, que nos levem do desejo à conquista em si. Ás vezes dá certo. E ás vezes não. Nessas vezes em que nossas estratégias falham, procuramos respostas que mostrem onde temos que corrigir ou melhorar nossos passos.

Porém, estas respostas nem sempre estão visíveis e disponíveis em um primeiro olhar. É preciso olhar para dentro. Atrever-se à procurar por pistas e respostas que nos façam repensar nossas certezas e flertar com a flexibilidade diante do desconhecido. Aqui também corremos risco.

Se não pararmos neste passo, as chances de encontrarmos a prosperidade no nosso caminho são grandes.

Então, chegamos nas seguintes questões:

O que faz alguém parar no meio do caminho? O que faz alguém seguir até o fim? O que faz alguém conseguir alcançar seus objetivos e, por algum motivo, precisar se desfazer dele autoboicotando-se?

É aqui que o autoconhecimento nos conduz em direção ao êxito nas finanças e, também, na vida.

É através da leitura e compreensão do nosso jeito de ser e agir que podemos identificar o que, em nós, está bloqueando o acesso ao êxito e, por vezes, também à sua permanência.

Que nó emocional ainda não desatamos e que nos rouba a energia necessária para seguirmos em frente?

 Nossas atitudes, diante dos gráficos, reproduzem, em muitos aspectos, nossas atitudes na vida real. Ganha quem compreende os possíveis movimentos do mercado e os seus próprios. Há quem opere ativos e há quem use os ativos para operar irritação, frustração, raiva, adrenalina, medo, preguiça, impulsos e perdas etc. E, assim, aprende, ao desimpedir-se, a operar sucessos com consistência.

Este é um nó para muitos. Porém, existem inúmeras formas de uma pessoa impedir-se de prosperar. E o setup vencedor na alma humana não tem fórmula rígida. Por isso, alguns ainda distraem-se da sua própria força e operam um setup que dê mais prejuízo do que lucro. De alguma forma estão em sintonia com aquele setup.

È preciso um olhar humano para que as pessoas façam as pazes com as coisas boas que podem viver e conquistar na vida. E permitirem-se mantê-las.

Sabemos que não ganhamos sempre. Mas, uma boa estratégia, envolve ganhos maiores do que perdas.

A prosperidade, a saúde e os laços afetivos que não acontecem na nossa vida, estão impedidos através deste nó, que vai muito além do entendimento das nossas crenças.  Ás vezes, a pessoa acredita que pode ter o melhor ou fazer melhor, mas algo se distorce entre a crença e a ação.  O que está distorcido tem morada no inconsciente. E só quem entra lá pode transformar seus nós em laços.

Abraço de paz!

Fernanda

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *